Atenção

Para compartilhar as atividades do Blog TEXTO EM MOVIMENTO em outros blogs é preciso ter autorização prévia. Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Quando a rede vira um vício - Interpretação e produção de texto 8º/9º ano

Gostei muito dessa reportagem, embora seja de 3 anos atrás e acredito que o problema seja maior hoje em dia, já que cada vez mais as pessoas estão conectadas e começando cada vez mais cedo, já na infância. Adaptei para trabalhar com 8º e 9º anos, utilizando apenas um trecho. Vale a pena ler a reportagem completa, lá há também um teste bem interessante. Fiz o teste com os alunos e eles próprios se surpreenderam. Quem quiser a reportagem completa, abaixo da atividade há o link. Após a leitura do texto, pode-se levantar as questões sugeridas (oralmente ou por escrito) e numa segunda etapa, pedir uma produção de texto, argumentativo.

Quando a rede vira um vício 

É difícil perceber o momento em que alguém deixa de fazer  uso saudável e produtivo da internet para estabelecer com ela uma relação de dependência — como já se vê em parcela preocupante dos jovens


Com o título “Preciso de ajuda”, Carolina G. fez um desabafo aos integrantes da comunidade Viciados em Internet Anônimos, a que pertence:
“Estou muito dependente da web. Não consigo mais viver normalmente”. Essas frases dão a dimensão do tormento provocado pela dependência da internet, um mal que começa a ganhar relevo estatístico, sobretudo entre jovens de 15 a 29 anos.
Os estragos são enormes. Como ocorre com um viciado em álcool ou em drogas, o doente desenvolve uma tolerância que, nesse caso, o faz ficar on-line por uma eternidade sem se dar conta do exagero. Ele também sofre de constantes crises de abstinência quando está desconectado, e seu desempenho nas tarefas de natureza intelectual despenca. Diante da tela do computador, vive, aí sim, momentos de rara euforia, mas não percebe que vai, aos poucos, perdendo os elos com o mundo real até se aprisionar num universo paralelo e completamente virtual.
Não é fácil detectar o momento em que alguém deixa de fazer uso saudável e produtivo da rede para estabelecer com ela uma relação doentia, porém, em todos os casos, a internet era apenas útil ou divertida e foi ganhando um espaço central, a ponto de a vida longe da rede ser descrita agora como sem sentido.


Mudança tão drástica se deu sem que os pais atentassem para a gravidade do que ocorria. Para o psiquiatra Daniel Spritzer, “a internet faz parte do dia a dia dos adolescentes e o isolamento é um comportamento típico dessa fase da vida, por isso a família raramente detecta o problema antes de ele ter fugido ao controle”.
A ciência, por sua vez, já tem bem mapeados os primeiros sintomas da doença. De saída, o tempo na internet aumenta até culminar, pasme-se, numa rotina de catorze horas diárias, e as situações vividas na rede passam, então, a habitar mais e mais as conversas. É típico o aparecimento de olheiras profundas e ainda um ganho de peso relevante, resultado da troca de refeições por sanduíches – que prescindem de talheres e liberam uma das mãos para o teclado. Gradativamente, a vida social vai se extinguindo, como alerta a psicóloga Ceres Araujo: “Se a pessoa começa a ter mais amigos na rede do que fora dela, é um sinal claro de que as coisas não vão bem”.
Com a rede, afinal, descortina-se uma nova dimensão de acesso às informações, à produção de conhecimento e ao próprio lazer, dos quais, em sociedades modernas, não faz sentido se privar, portanto toda a questão gira em torno da dose ideal, sobre a qual já existe um consenso acerca do razoável: até duas horas diárias, no caso de crianças e adolescentes. Desse modo, reduz-se drasticamente a possibilidade de que, no futuro, eles
enfrentem o drama vivido hoje pelos jovens viciados.

(Silvia Rogar e João Figueiredo, revista Veja, 24.03.2010. Adaptado)


1.Questões para interpretação para interpretação ou discussão:
Qual é o tema da reportagem?

Segundo o texto,  quais são os sintomas desse vício?

E quais podem ser as consequências?

Qual é a sugestão apresentada no texto para lidar com esse problema ou sua prevenção?

Você acha a comparação do vício  em internet com outros tipos de vícios  é muito forte? Justifique sua resposta.

Na sua opinião, faria alguma diferença para o convencimento do leitor se o texto não tivesse exemplos  de pessoas que passaram por esse problema?Justifique sua resposta.
O texto apresenta opinião de especialistas. Quem são  e quais suas especialidades?

2. Produção de  texto
A partir da leitura do texto e de seu conhecimento do assunto, produza um texto sobre o tema O jovem e a Internet

Veja a reportagem completa em:


10 comentários:

  1. Olá tudo bem, gostei muito da elaboração da atividade. Tem como você me passar as respostas? Por favor! Obg!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom! Por favor, mande-me as respostas.

    ResponderExcluir
  3. Gostaria das respostas, por favor!

    ResponderExcluir
  4. Gente, está na cara né? As respostas estão no texto é só analisar, rsrssrs
    Obrigado pelo compartilhamento da atividade. Abraços

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo seu trabalho! Por um mundo com mais professores como você. Abraços.

    ResponderExcluir
  6. obrigado consegui a cola da minha redação kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E você acha que o professor (ou professora) não sabe quando o aluno faz plágio? É ZERO!!!!!

      Excluir
    2. E você acha que o professor (ou professora) não sabe quando o aluno faz plágio? É ZERO!!!!!

      Excluir
  7. Amei seu trabalho. Estava procurando por um tema para produção diagnóstica dos 1º anos do Ensino Médio e de cara me deparei com o seu texto. PERFEITO!!!! Gostaria muito se pudesse me enviar as respostas. Obrigada por sua generosidade em compartilhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Envie-me seu e-mail para receber o gabarito.Um abraço,

      Excluir