Atenção

Para compartilhar as atividades do Blog TEXTO EM MOVIMENTO em outros blogs é preciso ter autorização prévia. Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Interpretação 6º ano - texto informativo - Tatu-canastra

Essa atividade foi adaptada do Saresp, mesclei questões que criei com algumas que constavam na prova.

O MAIOR TATU DO MUNDO

Brincar de esconde-esconde é divertido. Agora, se o tatu-canastra resolve participar da brincadeira, fica difícil competir com ele. Ele é o maior tatu do mundo atualmente. Mede, aproximadamente, um metro e meio de comprimento e pesa cerca de 40 quilos. Seria fácil encontrá-lo, se as suas tocas (ou abrigos) não fossem tão grandes: elas chegam a medir mais de cinco metros de extensão, e o Priodontes maximus pode ficar lá escondido por mais de quinze dias. Será que alguém consegue esperar tanto tempo assim para ver o tatu-canastra? Pois, para observar e estudar essa espécie, os pesquisadores esperam até mais, se for preciso.
Normalmente, o tatu-canastra escolhe ninhos abandonados de cupins ou de formigas para construir a sua toca. As suas unhas enormes e curvas – que podem medir até 20 centímetros – fazem dele um ótimo cavador. Para quebrar o ninho de animais, como as formigas e os cupins, e alimentar-se, essa espécie de tatu usa a sua língua comprida cobras, vermes e larvas. Tudo isso é mastigado com o auxílio dos seus 80 pequenos dentes.
Como a maioria das 20 espécies de tatus que existem, o tatu-canastra tem o corpo coberto de placas ósseas, como se fosse uma armadura, e possui poucos pelos.
O Priodontes maximus é um animal solitário. Gosta de sair à noite para procurar alimento e namorar. Essa espécie pode ter até dois filhotes por cria.
Quando é incomodado, o tatu-canastra deita-se no chão com a barriga para cima e tenta se defender com as patas anteriores. Para escapar do perigo, é capaz de se enterrar em poucos minutos.
Devido ao desmatamento, ao desenvolvimento das plantações e criações de gado, o habitat do tatu-canastra, bem como de muitos outros animais, vem sendo reduzido. A caça ao animal, que tem uma quantidade de carne abundante, também contribui para
diminuir as suas populações. Os seringueiros da Amazônia costumam até dizer que a carne desse tatu dá azar! Só se for para o próprio, não é mesmo?
Para evitar a extinção do tatu-canastra, é preciso proteger os ambientes em que
ele vive e, também, realizar estudos para se conhecerem melhor os hábitos dessa
espécie brasileira.

BOCCHIGLIERI, Adriana; REIS, Marcelo Lima. O maior tatu do mundo.
Ciência Hoje das Crianças, Rio de Janeiro, ano 18, n.161, set. 2005.

Atividades:
Lembre-se, nas questões de alternativas, marque apenas uma. 

1.Este texto é:

(A) informativo        (B) uma notícia        (C) um conto       (D) científico

2. Em “Seria fácil encontrá-lo (parágrafo 1), o termo destacado se refere
(A) a qualquer tatu.
(B) ao abrigo do tatu.
(C) ao predador do tatu.
(D) ao tatu-canastra.


3. Em geral, o tatu-canastra:
(A) aumenta a sua população constantemente.
(B) é o maior animal da sua espécie atualmente.
(C) é um animal de hábitos diurnos por excelência.
(D) gosta de viver em grupos de animais silvestres

4.Qual o nome científico do tatu-canastra?

5.Por que é não é fácil encontrar esse animal?

6.Depois de os cupins e as formigas abandonarem seus ninhos, o tatu-canastra:
(A) amplia-os para criar todos os seus filhotes.
(B) destrói-os para defender-se.
(C) diminui-os para torná-los mais aconchegante
(D) escolhe-os para fazer deles a sua moradia.

7. Uma das consequências do desmatamento é a redução do:
(A) habitat de muitos animais silvestres.
(B) número de filhotes do tatu-canastra.
(C) ciclo de vida das espécies inferiores.
(D) interesse pela vida de animais menores.


8. Ao ler o texto, encontramos algumas características do tatu-canastra. Cite 4 dessas características.


sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Incentivo à Leitura - Lendo e aprendendo com Zapty


Lendo e aprendendo com Zapty, o extraterrestre
Por Fátima Pereira
Jornal SuperaBR -  www.jornalsuperabr.com.br

Uma simples ideia pode virar um grande projeto. Foi assim que nasceu Zapty, um extraterrestre muito simpático que está fazendo sucesso entre a garotada.

Paulo Moraes, 52, advogado  e professor de história é o idealizador do projeto VIVO... LENDO E APRENDENDO, que tem como eixo principal o incentivo à leitura. Casado, pai de Maria Flor, Érico, Vitor e Bruno, gosta de ler, ouvir música e se dedicar à família.  Como professor reconhece que a leitura é um poderoso instrumento que precisa se tornar um hábito entre nossas crianças e jovens.

Conheça um pouco mais sobre o autor de Zapty o extraterrestre e seu importante projeto de leitura.


Jornal SuperaBR: Em que momento da sua vida você descobriu a literatura? Lembra-se de algum livro em especial?

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Notícia - interpretação 6ºano -Tóquio já tem filas para iPhone 6- lead e pirâmide invertida

Trabalhando o gênero Notícia

Na atividade que preparei, o objetivo é perceber que a notícia on-line segue parâmetros parecidos com a impressa. A técnica da pirâmide invertida (explicada após a notícia), ainda é muito usada na construção do texto. 


Há 9 dias do lançamento, Tóquio já tem filas para iPhone 6

10/09/2014
Tóquio - O lançamento do  iPhone 6 já gera expectativa em Tóquio, onde nesta quarta-feira (10/09/2014) uma dezena de pessoas já se posicionavam na fila para garantir um exemplar do novo modelo, que começará a ser vendido no próximo dia 19.
A loja da Apple no bairro de Ginza viu como os primeiros agarravam as cadeiras e provisões necessárias para aguardar até a sexta-feira, 12, às 16h (local, 7h em Brasília), quando começarão a ser feitas as reservas do novo modelo.
"São super rápidos e inteligentes", declarou à Agência Efe Tetsuya Tamura, um homem de 45 anos que acampa desde domingo ali, ao explicar sentado em uma cadeira de camping que a "qualidade" do iPhone é para ele a chave que marca a diferença em relação a outros smartphones.
Kan, um jovem de 20 anos, chegou segunda-feira à noite da Tailândia porque não estava "disposto a esperar" os dois meses que o telefone levará para chegar ao seu país.