Atenção

Para compartilhar as atividades do Blog TEXTO EM MOVIMENTO em outros blogs é preciso ter autorização prévia. Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

domingo, 25 de outubro de 2015

O pombo enigmático - Interpretação 7º/8º ano

Um texto bem interessante para falar de  convivência, trata-se de um encontro que gerou um desentendimento por culpa de um atraso. 

O pombo enigmático

   Na inelutável necessidade do amor (era quase primavera) pombo e pomba marcaram um encontro galante quando voavam e revoavam no azul do Rio de Janeiro. Era bem de manhãzinha.
   - Às quatro em ponto me casarei contigo no mais alto beiral – disse o pombo.
   - Candelária? – perguntou a noiva.
   - Do lado norte – respondeu ele.
   - Tá – assentiu com alegria e pudor a pomba.
 
   Pois, às quatro azul em ponto, a pomba pontualmente pousava pensativamente no beiral. O pombo? O pombo não.
   A pombinha, que era branca sem exagero, arrulhava, humilhada e ofendida pelo atraso, contemplando acima do campanário todas as possibilidades da rosa-dos-ventos. Mas na paisagem do céu voavam só velozes andorinhas garotas, porque as andorinhas mais velhas enfileiravam-se nas cornijas, pensando na morte, como gente fina, lá dentro, nos dias solenes de missa de réquiem.
  Quatro e dez. Quatro e um quarto. Uma pomba sozinha à mercê quem sabe de um gavião, lendário mas possível. Sol e sombra. Como custa a passar um quarto de hora para uma noiva que espera o noivo no mais alto beiral. Como a brisa é triste. Como se humilha em revolta a noiva branca. Ah, arrulhou de repente a pomba, quando distinguiu, indignada, o pombo que chegava caminhando pelo beiral mais alto do outro lado, lá onde, um pouco além, gritavam esganadas as gaivotas do mar pardo do mercado. Irônica, perguntou a pomba:
   - Perdeste a noção do templo?
   - Perdão, por Deus, perdão – respondeu o pombo – Tardo mas ardo. Olhe que tarde!...
   - Que tarde?  – perguntou a pomba.
   - Que tarde!  – Que azul! Que tarde azul! - Mas e eu?! – disse a pomba – Sozinha aqui em cima! - A tarde era tão bonita – disse o pombo gravemente – a tarde era tão bonita, que era um crime voar, vir voando.
  - Mas e eu?! – queixava-se a pomba.
  - A tarde era tão bonita – explicou o pombo com doce paciência – que eu vim andando, que eu tinha de vir andando, meu amor.

Atividades
Para começar, sublinhe as palavras desconhecidas, caso não compreenda o significado pelo contexto, procure-as no dicionário.

1. Assinale a palavra que encerra a ideia que melhor se relaciona com a "primavera", em relação ao texto:
(   ) inelutável               (   ) amor               (   ) azul              (   ) necessidade

2.  O que pode significar a expressão “às quatro azul em ponto”?

3.Além do efeito da rima, pode-se encontrar explicação para a presença de "ardo" no trecho: "Tardo mas ardo. Olha que tarde!...”, seria:
(   ) exprime a força do amor                (   ) traduz o calor da tarde
(   ) é sinônimo de casar                       (   ) é apenas um jogo de palavras com tarde

4.  "Quatro e dez. Quatro e um quarto." (Frequentemente você é chamado a responder ao célebre "Que horas são? " . Assinale, dentre as opções abaixo, a que contém erro:
(   ) São quatro e um quarto.                            (   ) Já deve ser uma e quarenta.
 (   ) já é meio-dia e meio                                  (   ) Faltam quinze para o meio-dia

 5.  "Como custa a passar um quarto de hora para uma noiva que espera o noivo no mais alto beiral. Qual o significado da expressão destacada?

6. O prefixo "re', em revoavam traduz uma ideia de repetição. Assinale a única palavra abaixo em que o "re" não denota a mesma ideia:
(   ) regredir                 (   ) rever                (   ) reler             (   ) reencontrar

7. Em "Perdeste a noção do templo? " ocorre um(a):
(   ) Trocadilho, juntando as noções de tempo e lugar.
(    ) Erro tipográfico, deveria ser "Perdeste a noção do tempo? "
(    ) Expressão antiga para dar sabor de ironia à pergunta.
(    ) Um engano da pombinha, que trocou a palavra “tempo” por “templo”.

8. Qual poderia ser a intenção do autor ao dizer que a pombinha contemplava “todas as possibilidades da rosas-dos-ventos”?

9. Na sua opinião, o fato da pombinha não se empolgar com a tarde azul, assim como se empolgou o namorado, significa que ela é menos romântica que ele? Justifique sua resposta.


10. Qual é o tema principal do texto?

Nenhum comentário:

Postar um comentário