Atenção

Para compartilhar as atividades do Blog TEXTO EM MOVIMENTO em outros blogs é preciso ter autorização prévia. Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Chuva com lembranças - Cecília Meireles - Interpretação 8º/9ºano

Cecilia Meireles é uma das minhas escritoras preferidas, seja em prosa ou poemas. Seus textos são singelos, simples e ao mesmo tempo, profundos e universais. Nessa atividade adaptei questões dissertativa e objetivas retiradas de diversas fontes. As questões objetivas valem 0,5 e as objetivas 1,0 caso se queira avaliar. Se alguém desejar conferir o gabarito, por favor, envie o  email.

Chuva com Lembranças


COMEÇAM a cair uns pingos de chuva. Tão leves e raros que nem as borboletas ainda perceberam, e continuam a pousar, às tontas, de jasmim em jasmim. As pedras estão muito quentes, e cada gota que cai logo se evapora. Os meninos olham para o céu cinzento, estendem a mão — e vão tratar de outra coisa. (Como desejariam pular em poças d’água! — Mas a chuva não vem...)
Nas terras secas, tanta gente, a esta hora, estará procurando também no céu um sinal de chuva! E, nas terras inundadas, quanta gente a suspirar por um raio de sol!

Penso em chuvas de outrora: chuvas matinais, que molham cabelos soltos, que despencam as flores das cêrcas, entram pelos cadernos escolares e vão apagar a caprichosa caligrafia dos exercícios.
Chuvas de viagens: tempestades na Mantiqueira, quando nem os ponteiros dos para-brisas dão vencimento à água; quando apenas se avista, recortada na noite, a paisagem súbita e fosfórea mostrada pelos relâmpagos. Catadupas despenhando sobre Veneza, misturando o céu e os canais numa água única, e transformando o Palácio dos Doges num imenso barco mágico, onde se movem, pelos tetos e paredes, os deuses do paganismo e os santos cristãos. Chuva da Galileia, salpicando as ruas pobres de Nazaré, regando os campos virentes, toldando o lago de Tiberíades coberto ainda pelo eterno olhar dos Apóstolos. Chuva pontual sobre os belos campos semeados da França, e na fluida paisagem belga, por onde imensos cavalos sacodem, com displicente orgulho, a dourada crina...


Chuvas antigas, nesta cidade nossa, de perpétuas enchentes: a de 1811, que, com o desabamento de uma parte do morro do Castelo, soterrou várias pessoas, arrastou pontes, destruiu caminhos e causou tal pânico que durante sete dias as igrejas e capelas estiveram abertas, acesas, com os sacerdotes e o povo a implorarem a misericórdia divina. Uma, de 1864, que Vieira Fazenda descreve minuciosamente, com árvores arrancadas, janelas partidas, telhados pelos ares, desastres no mar e “vinte mil Lampiões da iluminação pública completamente inutilizados”.

Chuvas modernas, sem trovoada, sem igrejas em prece, mas com as ruas igualmente transformadas em rios, os barracos a escorregarem pelos morros, barreiras, pedras, telheiros a soterrarem pobre gente. Chuvas que interrompem estradas, estragam lavouras, deixam na miséria aqueles justamente que desejariam a boa rega do céu para a fecundidade de seus campos.
Por enquanto, caem apenas algumas gotas daqui e dali. Nem as borboletas ainda percebem. Os meninos esperam em vão pelas poças d’água onde pulariam contentes. Tudo é apenas calor e céu cinzento, um céu de pedra onde os sábios e avisados tantas coisas liam outrora:
"São Jerônimo, Santa Bárbara Virgem,
lá no céu está escrito, entre a cruz e a água benta:
Livrai-nos, Senhor, desta tormenta!”
(Cecília Meireles, Escolha o seu sonho, 7ª ed. Rio de Janeiro:Record)

Leia atentamente o texto e responda, lembre-se há questões dissertativas e objetivas (de alternativa).
1. As informações do primeiro parágrafo – Começam a cair uns pingos de chuva. Tão leves e raros… – e – Os meninos olham para o céu cinzento… – mostram que a chuva:
(A) está por vir.    (B) será passageira.       (C) não é esperada.       (D) trouxe estragos.

2.Ainda no  primeiro  parágrafo o narrador destaca:
(A) A natureza, com suas flores e borboletas raras.   
( B) As crianças ansiosas que esperam pela chuva.
(C) O calor que havia naquele momento.                     
(D) Uma tímida ameaça de chuva.

3.Por que depois de olhar para o céu e estender a mão, os meninos vão fazer outra coisa?


4.A que época  da vida do narrador corresponderiam “as chuvas de outrora”?


5. A intenção do texto é:
(A) mostrar que ninguém se importa com a chuva.
(B) comentar como é a chuva na sua velhice.
(C) registrar com sensibilidade os efeitos da chuva.
(D) combater a ideia de que a chuva seja importante.

6. A expressão “chuvas matinais” significa:
A) Chuvas constantes.                                    B) Chuvas de maio  
C) Chuvas de domingo.                                  D) Chuvas da manhã.

7. As informações do segundo parágrafo – Nas terras secas, tanta gente a esta hora está procurando, também, no céu um sinal de chuva! E nas terras inundadas, quanta gente estará suspirando por um raio de sol! – deixam claro que o mundo convive com

(A) a satisfação com o clima em diferentes regiões.       
(B) a invariabilidade climática.
(C) um padrão climático equilibrado.                       
(D) as contradições das condições climáticas.

8. No 4º parágrafo qual o  significado do trecho “quando nem os ponteiros do para-brisa dão conta do vencimento à água”?

9.A expressão “um céu de pedra”, no penúltimo parágrafo do texto, está empregada em sentido

(A) figurado, indicando a chegada de uma chuva rápida.
(B) figurado, indicando a possibilidade de uma chuva intensa.
(C) próprio, indicando a probabilidade de uma chuva forte.
(D) figurado, indicando a certeza de uma chuva leve e passageira.


10. As informações do texto mostram que, na cidade da autora,

(A) não chove por causa do frio.                       (B) as enchentes ainda acontecem.
(C) deixou de chover depois de 1811.              (D) as chuvas destruíram as igrejas.


11. Assinale a alternativa que apresenta erro de grafia:
(A) Depois de um dia chuvoso, as crianças puderam sair de casa.
(B) Havia, na sua lembrança, uma chuva muito fina que  caía sobre a grama do jardim.
(C) Os estragos causados pela tempestade foram terríveis.
(D) A chuva não vinha, mais ele não perdia as esperanças.

12. De acordo com o texto, as chuvas antigas inspiravam nas pessoas
(A) a revolta imediata.                                    (B) a descrença generalizada.
(C) o desejo de se mudarem.                         (D) o conforto da religião.

13.  No período – … nem as borboletas ainda perceberam, e continuam a pousar – (1.º parágrafo), a conjunção “e”
expressa sentido de
(A) adição.    (B) oposição.    (C) finalidade.       (D) condição.


14.Releia o trecho “ Tudo é apenas calor e céu cinzento, um céu de pedra onde os sábios e avisados tantas coisas liam, outrora...”. Quem seriam esses sábios e desavisados?

15. Com que finalidade as pessoas pediam ajuda aos santos como Santa Bárbara e São Jerônimo?


3 comentários:

  1. Respostas
    1. Caso seja professor (a), mande seu email com o título da atividade para fate.profa@gmail.com

      Excluir