Atenção

Para compartilhar as atividades do Blog TEXTO EM MOVIMENTO em outros blogs é preciso ter autorização prévia. Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Crônica- Os namorados da filha- Interpretação 8º/9ºano

Gostei muito dessa crônica e adaptei algumas questões. Se alguém, depois quiser conferir o gabarito, é só avisar.

Os namorados da filha

Quando a filha adolescente anunciou que ia dormir com o namorado, o pai não disse nada. Não a recriminou, não lembrou os rígidos padrões morais de sua juventude. Homem avançado, esperava que aquilo acontecesse um dia. Só não esperava que acontecesse tão cedo.
             Mas tinha uma exigência, além das clássicas recomendações. A moça podia dormir com o namorado:
            ─ Mas aqui em casa.
            Ela, por sua vez, não protestou. Até ficou contente. Aquilo resultava em inesperada comodidade. Vida amorosa em domicílio, o que mais podia desejar? Perfeito.
            O namorado não se mostrou menos satisfeito. Entre outras razões, porque passaria a partilhar o abundante café da manhã da família. Aliás, seu apetite era espantoso: diante do olhar assombrado e melancólico do dono da casa, devorava toneladas do melhor requeijão, do mais fino presunto, tudo regado a litros de suco de laranja.
             Um dia, o namorado sumiu. Brigamos, disse a filha, mas já estou saindo com outro. O pai pediu que ela trouxesse o rapaz. Veio, e era muito parecido com o anterior: magro, cabeludo, com apetite descomunal.
            

Breve, o homem descobriria que constância não era uma característica fundamental de sua filha. Os namorados começaram a se suceder em ritmo acelerado. Cada manhã de domingo, era uma nova surpresa: este é o Rodrigo, este é o James, este é o Tato, este é o Cabeça. Lá pelas tantas, ele desistiu de memorizar nomes ou mesmo fisionomias. Se estava na mesa do café da manhã, era namorado. Às vezes, também acontecia ─ ah, essa próstata, essa próstata ─ que ele levantava à noite para ir ao banheiro e cruzava com um dos galãs no corredor. Encontro insólito, mas os cumprimentos eram sempre gentis.
             Uma noite, acordou, como de costume, e, no corredor, deu de cara com um rapaz que o olhou apavorado. Tranquilizou-o:
              ─ Eu sou o pai da Melissa. Não se preocupe, fique à vontade. Faça de conta que a casa é sua.
              E foi deitar.
              Na manhã seguinte, a filha desceu para tomar café. Sozinha.
              ─ E o rapaz? ─ perguntou o pai.
              ─ Que rapaz? ─ disse ela.
              Algo lhe ocorreu, e ele, nervoso, pôs-se de imediato a checar a casa. Faltava o CD player, faltava a máquina fotográfica, faltava a impressora do computador. O namorado não era namorado. Paixão poderia nutrir, mas era pela propriedade alheia.
             Um único consolo restou ao perplexo pai: aquele, pelo menos, não fizera estrago no café da manhã.

Moacyr Scliar

 (Crônica extraída da Revista Zero Hora, 26/4/1998, e contida no livro Boa Companhia: crônicas, organizado por Humberto Werneck, São Paulo: Companhia das Letras, 2006, 2. reimpressão, pp. 205-6.)


      COMPREENSÃO/ INTERPRETAÇÃO

1. Preencha o quadro abaixo, de acordo com a crônica lida:

Personagens

Cenário (onde se passa)

Temática

Narrador


2­ Esse texto é uma   uma crônica:

(   )  Humorística -  apresenta elementos predominantemente narrativos.
(   ) Histórica - baseada em fatos reais ou fatos históricos.
(   ) Jornalística - apresenta aspectos particulares de notícias ou fatos.
(   ) reflexiva -  analisa os mais variados assuntos do cotidiano através de impressões e inferências.


3.Seguindo as estruturas do texto narrativo, numere as sequências abaixo:

( 1 ) Situação inicial    ( 2 ) Conflito          ( 3 ) Clímax  ( 4 ) Desfecho

(    ) O sumiço do namorado e a descoberta da inconstância da filha.
(    ) O pai descobre que o rapaz no corredor era ladrão e não namorado.
(    ) A filha comunica ao pai que vai dormir com o namorado.
(    ) O encontro no corredor entre o pai e o rapaz.

4­ A atitude do pai em aceitar que a filha dormisse com o namorado te surpreendeu?
Por quê?

5.Por que o pai da jovem era realmente um homem avançado?
6.Em relação ao texto, atitude do pai teve boas consequências?Justifique.
7.Como o narrador conseguiu tornar o cômico o equívoco do pai, no final do texto?
8. Qual é sua opinião a respeito do comportamento da adolescente do texto?

9 comentários:

  1. Adorei... muito interessante! Um excelente assunto para trabalhar com os adolescentes! Se possível, gostaria de ver o gabarito! Muito grata!

    ResponderExcluir
  2. Oi Daniela, tentei te mandar, caso não tenha recebido, envie seu email. Um abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. exercicio perfeito Fatima Pereira o unico problema é o GABARITO!

      Excluir
    2. Gostaria de ter acesso ao gabarito teria como ?

      Excluir
  3. Amei o texto, mas preciso confirmar as respostas com o teu gabarito!
    Você pode me enviar por email?

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde, teria como enviar por e-mail?

    ResponderExcluir
  5. Sim, mas preciso que me envie o seu email para fate.profa@gmail.com

    ResponderExcluir

  6. gostei da cronica queria conferir o gabarito,obrigada.

    ResponderExcluir